Sobre o Instituto


Instituto Pedro Arthur

Uma iniciativa para salvar vidas, uma atitude para servir de exemplo.

 

Criado em 2006 em Minas Gerais, o Instituto vem ganhando força em todo o Brasil através de iniciativas do seu presidente, Rodrigo Diniz, pai de Pedro Arthur e de toda uma legião de amigos e colaboradores.

Pedro Arthur virou símbolo de combate à meningite. Ele é um caso raro da doença: a bactéria danificou a medula espinhal sem afetar o cérebro. Como sequela, o menino sofreu paralisia dos membros e do diafragma. As funções cognitivas não foram prejudicadas, diferentemente do que acontece com praticamente todas as pessoas acometidas pela doença e, nesses casos, a meningite pode levar a uma vida vegetativa ou até mesmo à morte.

O Instituto assumiu o compromisso de realizar um abaixo-assinado de abrangência nacional para a criação de uma Lei de Iniciativa Popular que inclua a vacina contra a meningite bacteriana no calendário básico da criança. Atualmente, apenas a imunização contra a meningite Haemophilus é feita em postos de saúde. As vacinas contra as formas meningocócica-C  hoje esta disponivél nos postos de Saúde do Brasil inteiro a aprovada a pouco tempo Meningococica-B vai chegar apenas nas redes prticulares e para isto estamos buscando multiplicadores de informações junto de nossas campanhas para prevenir melhor o futuro de nossas crianças e também de outras idades.È importante saber que cada criança vacinada protegemos dois adultos.

De acordo com a Constituição, para a apresentação de um projeto de lei de iniciativa popular é necessário um abaixo-assinado com o equivalente a pelo menos 1% de todo o eleitorado do País. Ou seja, precisamos de 1 milhão 260 mil assinaturas em pelo menos cinco Estados, o correspondente a 0,3% dos eleitores de cada um deles. Se esse volume for alcançado, a proposta popular tramitará na Câmara e no Senado da mesma forma que os projetos de lei apresentados por parlamentares. Atualmente o abaixo-assinado já conta com um Milhão e cem mil assinaturas.

 

Uma família reaprendendo a viver para ensinar. Que o caso não se repita

No dia 23 de novembro de 2004, o Pedro Arthur teve febre. No dia seguinte a febre voltou ainda mais alta. Medicado, o menino foi levado para a escola e lá começou a vomitar. Levado para o hospital o caso foi diagnosticado como sinusite. Sem melhoras, Pedro Arthur foi internado. Surge a primeira de várias crises convulsivas. Nesse momento os médicos suspeitam de meningite. Pedro foi transferido para a emergência para fazer exames e o diagnóstico confirma a suspeita: Meningite. Ele foi transferido para o CTI onde ficou por duas semanas em coma, para acordar com as sequelas que iriam mudar a sua vida, da sua família e de seus amigos. Pedro Arthur permaneceu internado no CTI durante sete meses.

Pedro ficou tetraplégico e respira através de aparelhos, já que a doença afetou a medula e o diafragma. O cognitivo foi preservado. A família Diniz trabalha, se dedica e vive para cuidar do Pedro, tentando aprender a cada dia como oferecer as condições mínimas que esse caso exige de Fonoaudiologia, Terapia Ocupacional, acupuntura e medicamentos. A experiência da família Diniz é levada a médicos, enfermeiros e famílias acometidas pela mesma doença. O objetivo do Instituto Pedro Arthur é oferecer respostas a uma doença que poderia ser evitada se houvesse a vacinação preventiva.

 

A Instituição é um Compromisso de Muitos

O compromisso foi fundar uma instituição para dar acesso às informações corretas sobre a meningite. Batendo de porta em porta para pedir ajuda e indo às praças públicas falar com o povo: dessa forma que a mídia mineira descobriu a instituição e contribuiu no nascimento da ideia do movimento para a implantação das vacinas contra a meningite bacteriana no calendário nacional de vacinação.

A Instituição ganha as primeiras camisetas, o primeiro site e em seguida um informativo sobre a doença, sempre contando com a ajuda de amigos e colaboradores. Um esforço que proporcionou espaço nos principais meios de comunicação. A cada dia a Instituição fica mais conhecida e recebe apoio de apresentadores, jogadores de futebol, músicos, artistas e políticos. E foi graças ao compromisso de todos que o Instituto foi parar nos programas Domingão do Faustão e Caldeirão do Huck, na Rede Globo, e Hoje em Dia, da Rede Record. Todos contribuíram para a divulgação da campanha.

De todos os cantos do Brasil vieram apoio e pedidos de informação sobre a meningite. O site chegou a 50 mil acessos por hora. A vida e a história do Pedro Arthur ganhou uma dimensão jamais imaginada. Todo o esforço estava sendo recompensado. As pessoas ligavam para dizer “eu vacinei o meu filho contra a meningite porque vi a campanha do Instituto Pedro Arthur”. Nossa luta contra a meningite ganhou força com o apoio do governador de Minas Gerais, Aécio Neves, a torcida do Cruzeiro, o técnico e os jogadores do Atlético e do Corinthians.

 

Nasce um Instituto do tamanho do Brasil

O Instituto Pedro Arthur é uma homenagem ao Pedrinho, que em sua luta pessoal para sobreviver, tornou-se exemplo de amor, fé e ajuda ao próximo. Com muita perseverança e determinação, o Instituto foi registrado. Chegou o primeiro computador; a parceria e o convênio com Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais; o apoio para a compra de móveis; o aluguel da sala para a sede do instituto, a compra de um carro para realizar as viagens pelo país divulgando a campanha. Esse carro foi completamente adaptado para proporcionar ao Pedro Arthur a oportunidade de sair de casa para ver o mundo de novo.

O Instituto cresceu para assumir um compromisso que nenhum órgão do governo ou entidade privada se comprometeu em relação à meningite: levar informação para todo o Brasil. Crescer com Saúde é um direito da criança conforme consta na LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990, Art. 4º - É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde.

A Meningite ocorre na maioria das vezes em crianças com menos de 2 anos de idade e pode matar ou deixar tetraplégica. Essa tragédia mesmo sendo uma fatalidade, pode ser evitada. No Brasil já existem vacinas que podem evitar a meningite e salvar vidas.

 

Um instituto forte pode enfraquecer a meningite. Uma população informada pode erradicar a doença.

Estamos entusiasmados para construir um Instituto comprometido em esclarecer, conscientizar, reforçar e mobilizar os brasileiros a exigirem o direito das crianças em obter gratuitamente a vacina contra a meningite. Vamos fazer com que o público de todas as idades, regiões e de todas as classes socioeconômicas compreendam a urgência de colaborar com a campanha.

Com apoio de colaboradores, buscamos criar uma marca para a comunicação do Instituto que seja capaz de traduzir o nosso sentimento de amor e esperança de ver a vacina da meningite incluída no calendário nacional de vacinação.

De acordo com o site CiberSaúde, foi publicado na revista PEDIATRIA MODERNA, edição de Novembro/Dezembro de 2008, o estudo “Meningites Bacterianas na Infância”, por Helmar Abreu Rocha Verlangieri, Médica da Disciplina de Infectologia Pediátrica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp/EPM), e Calil Kairalla Farhat (Professor titular de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp/EPM e Professor titular de Moléstias Infecciosas da Faculdade de Medicina de Marília, SP) são apresentados os seguintes dados:

“Representam, ainda, importante desafio em saúde pública em todo o mundo, com estimativa de 1 milhão de casos por ano e 171.000 mortes. No Brasil ocorrem aproximadamente 30.000 casos por ano (2,4/100.000 habitantes), com uma letalidade geral que se mantém constante no nível de 20%(9,20)”.

Com base nesse pequeno estudo, concluímos que apenas os registrados como meningite somam seis mil óbitos por ano, ou seja, 36 casos por dia. No Brasil a informação chega à maioria dos jovens através da internet. Não podemos desperdiçar a oportunidade de informar e educar esses jovens. Eles têm o poder de propagar a informação. Podem atuar na luta contra a meningite, sobretudo porque eles podem influenciar a família, a sociedade, as empresas e o governo, mas principalmente, porque serão os formadores de novas famílias, cujo filhos merecem crescer com mais saúde. A mortalidade infantil é um problema da nossa geração e um compromisso com as futuras. Estamos comprometidos em difundir e desenvolver a conscientização sobre a saúde infantil no Brasil, pelo respeito à dignidade dos seres humanos e aos valores fundamentais da vida.

 

Número de casos no Brasil

* Dados do Ministério da Saúde

 

2011

2012

 

CASOS

ÓBITOS

CASOS

ÓBITOS

Meningite Geral

20.780

2.020

21.067

1.744

Doença Meningocócica

2.835

605

2.509

534

Meningite Pneumocócica

1.209

362

1.063

284

Meningite Heamophilus b

131

28

146

19

 

O Brasil Sem Meningite

A campanha Brasil sem meningite é antes de tudo a expressão maior do compromisso da família Diniz com a informação no combate à meningite. Desde que o seu filho Pedro Arthur foi acometido pela doença, a família vem se empenhando em levar esclarecimentos sobre prevenção e diagnóstico precoce para todo o país na esperança de que casos como o de Pedro Arthur possam ser evitados. São utilizados todos os meios de comunicação e contato pessoal para promover, levar a informação, mobilizar a sociedade na luta contra uma doença que é capaz de matar em até 24 horas após o aparecimento dos primeiros sintomas. Buscamos o fortalecimento do Instituto Pedro Arthur como uma organização de referência para os cuidados com a meningite.

 

Os Nossos Objetivos

  • Informar: Levar a todos os meios de comunicação a informação sobre a meningite no Brasil.
  • Mobilizar: Engajar toda a população para incluir a vacina da meningite no calendário nacional de vacinação.
  • Educar: Crescer com saúde é um direito da criança e dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público.
  • Amparar: Elevar o Instituto a condição de receber e amparar as famílias vítimas da meningite.

 

Objetivos do Milênio

Como tema sugerido pela ONU “Oito Jeitos de Mudar o Mundo”, nos apresentamos para unir forças e contribuir com esta causa para diminuição da mortalidade infantil e no combate a Aids entre outras doenças.

 

SUGESTÕES DE AÇÕES QUE SE APLICAM AO INSTITUTO:

Fazer campanhas para mostrar:

- Como as vacinas protegem o bebê.

- Como a higiene pode evitar algumas doenças.

- Qual a nutrição adequada para o bebê.

- A importância do aleitamento materno.

 

Ajudar no dia da vacinação, garantindo que as crianças de bairros e periferias também sejam vacinadas. Levar seu filho, até o quinto dia de vida, ao posto de saúde para fazer o teste do pezinho, vaciná-lo, verificar como está a amamentação e se a pele do bebê está amarelada. Sensibilizar as mães a levarem seus bebês ao serviço de saúde mensalmente, sobretudo, no primeiro ano de vida, e sempre que os bebês apresentarem diarreia, cansaço, tosse ou febre.

Nossa contribuição para a informação e vacinação contra a Meningite é a base do nosso trabalho. Apoiamos as instituições que, como nós, realizam ações em variados nichos complementares, para tornar forte cada instituição e para superar a atual realidade da saúde no país.

Hoje podemos dizer que vencemos inúmeros obstáculos e que 2013 será um ano de conquistas. O Instituto Pedro Arthur conta com o apoio dos brasileiros que em 2008 provou a força que tem, com a implantação da vacina Meningococica-C através de um projeto do Instituto e um manifesto social,a comissão Europeia aprovou a mais nova e eficaz Vacina contra a Meningite e vamos juntos mais uma vez lutar para que ela esteja também gratuita para todos ela é a Meningococica-B

 

#Meningite #vacinas #saúde #pedro Arthur #Instituto #Doenças #bacterias #cancer #HIV #HPV 

 

Nada contra o verso

Colunistas

Quem vai ao pediatra volta tranquilo Antibiótico: Primeira Dose Imediata Sete Lagoas Noticias Bebê meningite | Blog da Saúde